Páginas



Blogagem Coletiva - DIA NACIONAL DA ADOÇÃO

8

     É pessoal, estou nessa Blogagem Coletiva do Blog Versos Etc. e vou contar o que posso, o que vivenciei sobre a tal da "ADOÇÃO"...
     Há 37 anos meus pais já tinham duas filhas. Minha mãe precisou de uma pessoa para ajudar lá em casa.
Contratou uma moça e para nossa surpresa ele estava grávida... Uma surpresa maior ainda: Não queria o filho =(.
    Meu pai sempre foi muito emotivo e não deu outra: ADOTOU!!! eeeeee \0/ ganhamos um irmãozinho, e meus pais um filhinho... Ele cresceu sabendo de toda a verdade, da sua origem. Ainda temos contato com a mãe biológica, uma grande pessoa.
    Ele? A melhor coisa que meus pais poderiam fazer, meu irmão adotivo sim, COM MUITO ORGULHO!!!
 
   A partir dessa sexta, passe lá no Versos Etc. e conheça outras histórias sobre adoção. E seja bem vindo a participar com a gente dessa BC! Se você também tem uma história ou um sonho/projeto de adoção, conta pra gente.

8 comentários:

Dani Pivatelli disse...

Que bom que você está participando dando sua visão de irmã! Adorei!
Já lancei o post da Blogagem Coeltiva:

http://versosetc.blogspot.com.br/2012/05/dia-nacional-da-adocao-blogagem.html

Beijooos

 
Neli Rodrigues disse...

Tb estou nessa BC e vim aqui te visitar.
Que lindo gesto dos seus pais.
Que bom que vc tem seu irmão, com mto orgulho.
Bjs

 
Meri Pellens disse...

Olá!
É um grande ato de generosidade e amor a adoção. É dar à luz com o coração mesmo, e com vontade, mais do que muitos pais biológicos por aí.
Beijinho...

PS: Estou participando tbm...

 
Telma Maciel disse...

Li um livro q conta uma história assim tbm. Eu já estou aqui aos prantos com as primeiras histórias lá da Dani e me preparando pra me emocionar um tanto mais... rs
Parabéns a todos pela acolhida desse irmão querido!
Bjs

 
Lauisa Sousa disse...

Ai que bacana..é tão bom quando tudo dá certo..parabéns a sua família!!!

 
Luma Rosa disse...

A mesma coisa aconteceu em casa, só que mamãe era viúva e podia "pegar mal" para ela, mesmo assim ela não deixou uma menina de 16 anos desamparada. Minha mãe abrigou mãe e filho até que este nascesse. Só que o tempo foi passando e eles foram ficando. Ela não aceitava ser mãe tão nova e pedia que o filho a chamasse pelo nome e ele, meio confuso porque nós chamávamos minha mãe de mãe, ele passou a chamá-la também. Foi tudo muito natural. Lógico que enquanto crescia tomava consciência, só que, quando essa minha irmã postiça casou, seu filho ficou em casa. Resumo: Ele é meu irmão afetivo, sou madrinha do seu primeiro filho. Não vejo distinção entre ele e minhas irmãs. E ele é o melhor de todos nós!! Beijus,

 
Crys Leite disse...

Que bom que ele teve a chance de ter uma família de verdade e vc de ter um irmãozinho. Beijos.

Também contei meu relato sobre adoção. Beijos.

http://crysleite.blogspot.com.br/